Há 1 ano atrás eu não entendia nada (ou quase nada) de métodos ágeis. O pouco contato que eu tive, havia sido em algumas descrições de vagas de desenvolvimento de software ou coisa parecida. Nem imaginava que hoje estaria trabalhando e construindo um time todo baseado em Agile Marketing.

Era uma realidade distante, e olha que eu sempre estive em contato com o mercado de tecnologia! Daí, fui convidada a trabalhar na dti, na posição de Head de Marketing. Uma função que não dá para não entender muito bem o negócio da sua empresa, e se tem uma coisa que a dti com certeza é, é ágil.

Dá uma olhada no blog da dti para você entender melhor essa cultura ágil incrível!

Fui me familiarizando com os termos e conceitos, e puxada a adaptar meu modo de trabalho à alguns princípios do mindset ágil. Deu certo? Demais!

Vou contar um pouco de como funciona o marketing ágil da dti e te mostrar que não precisa de um projeto de desenvolvimento de software para trabalhar de forma ágil.

Respirando a cultura ágil

Vamos começar pelo básico. Na primeira vez que eu pisei na dti, de cara já me encantei pelo ambiente. Fiquei bastante intrigada com os quadros cheios de post-its que cobriam as paredes coloridas da empresa, dá-lhe post-it!

Me perguntava “Como que este pessoal se organiza no meio de tanto post-it?!” “Será que isso ajuda mesmo?”

Este foi meu primeiro contato com um de nossos mantras “Comunicação o mais visual possível!”. Post-its, de fato, são bonitinhos e tudo mais, mas não é por isso que eles estão cobrindo metade das nossas paredes.

Por mais digital que sejamos, a gestão visual (facilmente manipulável independente de demais conexões) faz parte da eficiência com que entregamos.

Em se tratando de desenvolvimento de soluções digitais, estamos o tempo todo lidando com incertezas. É natural que novas variáveis sejam criadas ao longo do processo e outras abandonadas. Os quadros cobertos de post-its servem (também) para facilitar o acompanhamento dessas mudanças e o status do projeto.

Não existem formas digitais de fazer esse controle? Claro que existem! Mas, te garanto que é melhor ter o quadro na sua frente te lembrando daquilo 24 horas por dia, do que o Trello (ou similares) ali em uma aba perdida do seu navegador.

Comece pelo Scrum e Kanban

Entendida a “magia” dos post-its, e o marketing com isso? Nós também temos gestão à vista! E, minhas demandas começaram a ser feitas baseadas em experimentos, testes rápidos e melhoria contínua. MVP’s! Tudo isso sem nenhuma base teórica muito extensa. Eu era naturalmente demandada dessa forma. Afinal, todos os projetos da empresa funcionavam assim, por que não aconteceria o mesmo no marketing?

Eu queria aprofundar mais um pouco no entendimento da metodologia ágil. Comecei a buscar cursos práticos do assunto. Fiz alguns de curta duração, mas o que realmente me ensinou (neste momento inicial) foi a prática.

Alguns dos ritos do Scrum e o uso de Kanbans foram indispensáveis.

Kanban do Marketing

Dezembro de 2017: nossa gestão à vista inicial era um Kanban e éramos 3 na equipe. Eu, um designer gráfico e um videomaker.

PLANEJADO | EM ANDAMENTO | IMPEDIDO | FINALIZADO

Funcionava ok. Com o amadurecimento do marketing, planejamento de conteúdo, presença nas redes sociais e tudo mais (tipo 1 mês), já era clara a necessidade de aumentar a equipe. Vídeos eram os nossos queridinhos, então, precisávamos de mais um videomaker pela quantidade de demanda que estava chegando.

Mais uns dois meses e precisávamos de mais um designer gráfico também. O Kanban ainda estava sendo útil, contudo fomos percebendo a necessidade de uma coluna a mais ali.

PLANEJADO | EM ANDAMENTO | IMPEDIDO | EM PRODUÇÃO | FINALIZADO

Sim, em produção. Quando você tem muito material gráfico em impressão – desde adesivos até canecas, blusas e bandeiras (!) – só “em andamento” não é suficiente. Pois é, faz parte do ágil a adaptação, os ritos e ferramentas não são prescrições restritivas e rígidas. Muito pelo contrário! É preciso aprender com eles, seguir as regras, entendê-las para então “quebrá-las” – um pouco do SHU HA RI (assunto para outro texto).

Com tanta coisa acontecendo na empresa, outro ponto que precisa estar (quase) perfeito é a comunicação e alinhamento da equipe. Alguns ritos do Scrum caem como uma luva neste caso.

Scrum no Marketing

Começamos, novamente, com um rito básico. Reuniões diárias. São 15 minutinhos, todo mundo para o que está fazendo, levanta e responde 3 perguntas.

– O que você fez ontem?

– O que você fará hoje?

– Há algum impedimento no seu caminho?

Pronto, todo mundo alinhado e “firmando” um compromisso com o resto do time sobre o que irá fazer em seguida. Ou seja, se no dia seguinte a tarefa não estiver completada, a pessoa terá que explicar qual foi o impedimento (ou se foi mulambagem mesmo). As nossas diárias não pegaram firmes tão rápido assim, mas um outro rito, a reunião de Retro, nos ajudou a perceber a urgência de priorização das diárias.

A necessidade das retros apareceu também naturalmente. São reuniões quinzenais com toda a equipe e quem mais for relevante. É uma análise crítica do período.

Cada um pega post-its (olha eles aqui de novo) e escreve os pontos positivos e negativos das últimas duas semanas. Todos falam e discutem quais serão as iniciativas de melhoria para o próximo período. Isto é, como evitar que os pontos negativos se repitam, desenvolver o que já estava bom e definir novas prioridades.

Não é interessante definir mil e uma prioridades. É importante priorizar tarefas essenciais ao desenvolvimento do trabalho do time e executá-las bem. A disciplina com a rotina das diárias foi uma das prioridades definida em uma das primeiras retros.

“Mas, Giulia, meu trabalho não é dividido por projeto! E aí? Como descobrir meus “sprints”, “MVP’s” ….”

À essa altura, você já deve ter percebido que eu não tentei aplicar tudo do ágil ou do scrum de uma vez só. Fomos testando ferramentas e ritos aos poucos. Isto foi fundamental.

Tivemos feedback rápido do que estava dando certo ou errado, para então melhorar (ou até mesmo abandonar determinada ferramenta). A melhoria podia significar a inclusão de outro rito ou ferramenta ou apenas o desenvolvimento do atual.

Muita coisa no marketing é rotina, mas dentro da rotina temos sempre que inovar, estar um passo à frente

Inovações são o cenário perfeito para os MVP’s. Se você acha que determinada mudança na sua forma de comunicação, ou naquele fluxo de email marketing pode ser boa para o seu trabalho, por que não testar? Às vezes não é necessário mudar o fluxo inteiro, um teste no primeiro email já pode te dar algumas respostas. Busque testar rápido e barato.

Demandas como vídeos, eventos, série de posts, desenvolvimento de produtos personalizados para clientes e outras produções do tipo podem ser análogas a sprints sim. Elas exigem planejamento, disciplina de execução e geralmente são ciclos curtos.

Se você começa a prestar atenção em alguns dos princípios do manifesto ágil, é perfeitamente possível segui-los em praticamente qualquer área. Por exemplo: Garantir a satisfação do cliente. “Ah, mas é óbvio, não é?” Nem sempre…

Garantir a satisfação do cliente engloba entender muito bem o que ele precisa. Podem ser necessários alguns protótipos e algumas falhas até chegar em um produto bom de verdade. No caso do marketing, isto pode significar aprender a pegar briefings melhores e até mesmo sentar do lado de quem fez a demanda para fazer o trabalho. Por que? Comunicação ágil. Nem sempre é muito eficiente ficar trocando emails ou mensagens com idas e vindas de uma arte (por exemplo). Por que não sentar e produzir ao lado de quem demandou e ter feedback (quase) instantâneo? Pode dar (muito) certo!

Cada dia uma nova variável

Nosso marketing ágil não se esgota por aí. Cada dia é um novo desafio. Por exemplo, estimar tempo e quebrar tarefas em funções de produções criativas. Percebemos a necessidade dessas estimativas, mas ainda é um grande esforço alcançá-las. O caminho é disciplina, priorização e feedback constante. Sempre.

Além disso, não posso deixar de te lembrar que autonomia é essencial. Da mesma forma que os meus gestores me dão autonomia para praticamente tudo na dti, não é diferente na minha relação com a minha equipe. Os ritos nos ajudam a aumentar cada dia mais a confiança nas pessoas e dar mais autonomia a todos. Isso é ser ágil!

A equipe não para de crescer (agora somos quase dez e tem mais gente entrando em breve!) novos quadros de gestão à vista estão sendo aplicados no time e várias transformações estão borbulhando na empresa. Atualmente, estamos passando por um forte processo de descentralização e isso envolve diretamente o marketing também.

A evolução da cultura ágil e descentralização do marketing na dti será o tema do meu próximo post. Fique ligado!